Ansiedade de separação: como lidar?


Os cachorrinhos em geral são animais muito carinhosos e que amam sua família humana. Quanto maior o tempo que passam juntos, maior o apego entre tutor e pet. Porém, essa relação por muitas vezes pode acabar causando uma ansiedade e pânico ao animal quando o dono se distancia, o que chamamos de “ansiedade de separação”.


Essa situação de pânico pode se tornar algo incontrolável para os animais, desencadeando atitudes como comportamentos destrutivos (arranhar portas e janelas), latir ou uivar durante todo o período que está sozinho, urinar e defecar em diversas partes da casa, automutilação, jejum de comida ou água, lambedura excessiva, entre tantos outros.


Segundo a adestradora e parceira do nosso projeto, O Cãodeirante, Viviane Miranda, ainda não se sabe ao certo tudo o que pode predispor o animal a apresentar essa síndrome. Porém, pode-se observar que a personalidade e a vivência do cão interferem muito no aparecimento da síndrome de ansiedade por separação. “Cães mais medrosos e inseguros, mudanças bruscas de rotina e situações de estresse, podem favorecer o aparecimento ou a piora do quadro do animal. Isso tudo acaba por justificar também a incidência de ansiedade de separação em pets portadores de deficiência” explica Vivi.


Os cães cadeirantes exigem uma atenção maior por parte de seus tutores e um maior tempo de companhia. Esse quadro, alinhado com outros fatores agravados pela deficiência como a insegurança e as limitações, fazem com que eles também sejam, em alguns casos, portadores da síndrome.


No caso deste diagnóstico, há algumas práticas e exercícios que podem ajudar no tratamento e na redução dos sintomas, segundo Viviane Miranda:



1- Estabelecer uma rotina previsível para o cão com gasto de energia física, mental e social.


2- Sair de casa sem se despedir efusivamente e não fazer festa para o animal ao retornar para casa.


3- Ensiná-lo que ficará tudo bem na nossa ausência e simular nossas saídas de maneira gradual.


4- Melhorar a comunicação com o animal através de treinamento.


5- Enriquecimento ambiental: inclusão de atividades diferentes que simulem o dia a dia do animal livre na natureza, como esconder a comida e fazer com que o animal encontre usando o faro, simulando a caça. Essas atividades fazem com que ele supra algumas necessidades básicas como lamber, caçar, entre outras.


O enriquecimento ambiental melhora a qualidade de vida e aumenta a confiança do animal em ficar sozinho.


Atividades como esconder a ração, proporcionar jogos de busca, caça e outros exercícios, auxiliam principalmente nos casos de animais com deficiência.

Vale ressaltar que animais com ansiedade de separação devem ser acompanhados de perto por profissionais capacitados como veterinários e adestradores.

59 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
410199-PD8Q59-641.png