Doação de Sangue Pet


Para nós, humanos, a doação de sangue já se tornou um tema recorrente, porém, quando falamos de doação de sangue animal, ainda há muitos que se surpreendem. A verdade é que a doação de sangue feita por gatinhos e cães é tão importante quanto a nossa. Com apenas uma diferença: elas são muito menos divulgadas e bem mais difíceis de encontrar quando se precisa.


Além de traumas e acidentes, algumas doenças autoimunes também levam o pet a precisar de transfusão e existem vários tipos sanguíneos dos animais. É o caso do nosso pequeno Vitório, cãozinho Hemofílico que está para adoção aqui no Projeto Cãodeirante. Por diversas vezes, ele, assim como tantos outros, precisou dessas doações e tivemos que recorrer aos bancos de sangue Pet.

A doação é um processo relativamente simples, rápido e indolor para os animaizinhos. Tanto gatos como cachorros podem ser doadores, desde que preencham alguns requisitos que garantem a saúde não só do doador, mas também do material coletado:


🐶

Idade entre 1 e 8 anos

Peso mínimo de 27kg

Vacinação e Vermifugação atualizadas

Controle de pulgas e carrapatos

Não apresentar doença ou transfusão prévia recente


🐱

Idade entre 1 e 7 anos

Peso mínimo de 4kg

Vacinação e Vermifugação atualizadas

Controle de pulgas e carrapatos

Não apresentar doença ou transfusão prévia recente


Levar o seu animalzinho para doar sangue é saber que ele está salvando inúmeras vidas. Por isso, a importância de permitir que eles participem deste ato tão simples e necessário. Se o seu pet preenche esses requisitos, siga alguns passos:

1- Encontre um centro de coleta especializado e com boas referências.

2- No dia da doação, mantenha o animal em jejum por pelo menos 4 horas.

3- Acalme seu amiguinho e passe tranquilidade na hora da coleta. Para animais mais agitados, é comum a aplicação de sedativos leves. Nestes casos, o animal só será liberado após passar o efeito total.

4- Respeite o prazo mínimo de 3 meses entre as coletas.


Doadores com carinho

Adepta a doação de sangue desde muito jovem, a tutora do Apollo, pastor alemão, e do Peppy, gato SRD, Silvia Rayssa, conta que os dois são doadores de sangue há mais de 4 anos. Consciente da importância da doação, assim que os dois atingiram o peso necessário já foram cadastrados como doadores. “Eles já salvaram tantas vidinhas” comenta a tutora com carinho.


Silvia conta que a doação de sangue pode ser feita de duas formas: diretamente no banco de sangue Pet, onde o sangue fica armazenado por um período, até que um receptor esteja precisando, ou em caso de emergência, em que o sangue vai diretamente para o animalzinho internado em caso grave. “Já fizemos das duas formas, porém, eu dou maior prioridade à doação de emergência”.


A preferência vem principalmente pelo fato econômico. O valor da bolsa de sangue muitas vezes está longe da realidade de muitos tutores com um menor poder aquisitivo e da realidade de animais resgatados. Então, sabendo da saúde dos doadores e dos seus tipos sanguíneos, Silvia tem uma certa margem de segurança para que o outro animal receba a doação.


Estre os cães existem vários tipos sanguíneos e, assim como nós, é necessário entendê-los e saber exatamente o tipo do seu amiguinho. Geralmente, este teste é feito pelo próprio laboratório de coleta. Já os gatos, em sua grande maioria, possuem o mesmo tipo de sangue, A.


A quantidade de sangue doado varia de acordo com o peso e porte do animal, para cães e gatos. Toda a coleta é feita de forma segura e responsável, não agredindo nem prejudicando o doador. “O pós-doação dos dois sempre foi bastante tranquilo. Respeitando o volume retirado de sangue com relação ao peso do animal, eles se recuperam bem rápido” comenta Silvia.


Portanto, se os seus pets preenchem os requisitos para se tornarem doadores,,fique tranquilo, não é perigoso para eles quando o procedimento é realizado por profissionais habilitados e locais respeitados. E o seu pet poderá salvar muitas vida.

5 visualizações